Suzana Herculano-Houzel

Se ao menos mais cientistas fossem como Harry Jerison

NOC_012 Se ao menos mais cientistas fossem como Harry Jerison

Eu não era ninguém. Eu era uma brasileira que treinou com ninguém para ser uma neuroanatomista quantitativa, que fez essa coisa ultrajante de transformar cérebros em sopa, e que apareceu do nada no campo da contagem de neurônios com sua sopa de cérebros para afirmar que cérebros maiores não eram necessariamente feitos de mais neurônios; que corpos maiores não precisavam ter nem cérebros maiores nem mais neurônios; e, mais recentemente, que o cérebro humano tinha o maior número de neurônios corticais de qualquer espécie, sim, mas a encefalização - o fato de nosso cérebro ser aparentemente "grande demais para nosso corpo" - não tinha sentido..

Tudo isso fez com que eu dissesse que Harry Jerison estava erradoJerison, o pai do quociente de encefalização, o homem que finalmente ofereceu uma resposta razoável à pergunta "Como é que os seres humanos são a espécie que estuda outras espécies quando não somos os donos dos maiores cérebros do mundo (os elefantes e muitas baleias nos superam)?" Jerison, o paleontólogo que escaneou crânios e descobriu que a medição do endocast (as marcas deixadas pelo cérebro na parte interna do crânio) poderia ser usada para inferir o tamanho do cérebro e, em seguida, estabeleceu que a evolução humana era a história do aumento do cérebro humano, em termos absolutos e, o mais importante, em termos relativos.

E estávamos participando da mesma reunião.

O ano era 2010, e estávamos na conferência Karger, em San Diego, que precede a reunião anual da Society for Neuroscience. Jon Kaas havia organizado a conferência Karger naquele ano e me escolheu como a palestrante convidada. Jerison, para minha surpresa, estava presente. Ele tinha mais de 90 anos, era um gigante na área, um homem pequeno e careca com um sorriso simpático e brincalhão - e estava sentado bem na minha frente. Eu estava pronta para que ele me odiasse.

Então, eu me apresentei - porque o que mais eu poderia fazer? "É uma honra conhecê-lo, senhor. É claro que conheço seu trabalho e li seu livro The Evolution of Intelligence.gostaria de tê-lo comigo para poder pedir que o autografasse para mim, embora eu entenda se o senhor não for meu fã. Sou Suzana Herculano-Houzel e acabei de publicar aquele artigo sobre o número de neurônios no cérebro humano, mostrando que, afinal, não somos especiais". Ou algo do gênero. Estou parafraseando de memória.

Mas ele era mais do que um cavalheiro: era um verdadeiro cientista. Seu rosto se iluminou imediatamente quando ele me deu um aperto de mão firme e respondeu jovialmente: "Você está brincando? Eu gostaria de ter os dados que você gerou! Eu teria uso pros seus dados! Eu fiz o que fiz exatamente porque não podíamos dizer de quantos neurônios o cérebro era feito"

De fato, e ele deixou isso bem claro. Na ausência de estimativas diretas do número de neurônios em diferentes cérebros, incluindo os humanos, ele teve que fazer três suposições para comparar os humanos com outras espécies e fazer previsões não muito testáveis - porque qualquer coisa que se refira a contar a verdadeira história da evolução exigiria uma máquina do tempo - mas pelo menos apresentar uma narrativa que fizesse sentido. Suposição número um: que todos os cérebros são feitos da mesma forma, de modo que cérebros de tamanho semelhante têm números semelhantes de neurônios, e cérebros maiores têm mais neurônios do que cérebros menores. Suposição número dois: que animais maiores precisam de mais neurônios para operar seus corpos e, portanto, devem ter cérebros maiores com mais neurônios. Suposição número três: que qualquer neurônio ou massa cerebral, além do "necessário" para o funcionamento do corpo era "excesso" e, portanto, contribuía para tornar seu proprietário mais inteligente. Portanto, se a evolução humana foi a história do cérebro humano se tornando três vezes maior dentro de um corpo que não cresceu tanto assim, então a evolução humana foi a história dos humanos, e somente dos humanos, se tornando mais inteligentes.

Naquela época, eu já havia mostrado que a suposição nº 1 estava errada e, com o tempo, mostraria que todas as três eram falhas. E se as suposições são falhas, todo o edifício intelectual se transforma em um castelo de cartas que desmorona e precisa ser reconstruído do zero.

É por isso que é tão importante que toda tentativa científica de uma nova teoria deixe suas suposições bem claras: para que todos saibam em que exatamente toda a estrutura se baseia. Há os fatos, os números, os dados; há as suposições que fazemos sobre como esses fatos se relacionam com o que queremos entender; e há a narrativa ou teoria, que criamos sobre o que queremos entender, na qual interpretamos os fatos à luz desses pressupostos. A evolução é um fato; a evolução por meio da adaptação pela sobrevivência do mais apto é uma teoria. O aumento do cérebro na evolução humana é um fato; o aumento do cérebro em relação ao tamanho do corpo como fonte de nossa inteligência era uma teoria baseada em três suposições fundamentais - e Jerison deixou suas suposições muito claras em seu livro The Evolution of Intelligence.Ele era um cientista muito bom. Portanto, tudo estava bem.

E eu estava aliviado por ter feito minha parte também, sendo uma boa cientista. Eu havia gerado novos fatos, refutado a suposição, desafiado a narrativa, mas nunca ataquei o cientista. Jerison fez o melhor que pôde com as evidências que tinha. Da mesma forma que Darwin, aliás. Mas essa é uma outra história.

Eu gostaria de ter sido muito mais ousada e ter pedido a Jerison que contasse a história do trabalho de sua vida. Mas eu era muito inexperiente no campo, muito jovem na vida para perceber que a forma como pensamos, o que fazemos, quem somos é a soma de nossas histórias, que cada pequena história conta e que, às vezes, as mais saborosas, as histórias que explicam como tivemos uma ideia, uma percepção, uma suspeita, são narrativas que só surgem quando somos convidados a refazer nossos passos, e essas são narrativas que muitas vezes não aparecem nos livros porque a pergunta nunca foi feita.

Mais posts

en_USEnglish