Suzana Herculano-Houzel

Cérebro e violência: onde a genética e a sociedade se encontram

Coluna_2023_07_27

Há quem coloque toda a culpa na sociedade, que os negligencia e não lhes dá oportunidades. Há quem discorde e defenda que o problema é essencialmente maus genes, “sangue ruim”. O que causa o comportamento violento desses indivíduos que levam medo e sofrimento a tantas famílias? A neurociência tem outra opinião: uma combinação infeliz de predisposição genética e maus tratos, que modificam a maneira como o cérebro responde a ameaças.

Tanto natureza quanto sociedade alteram o comportamento, e hoje se entende a razão: ambas afetam o cérebro. Por um lado, a genética de cada pessoa afeta tanto a estrutura do cérebro como sua química, e por exemplo o excesso hereditário de serotonina nas regiões cerebrais que respondem a ameaças está associado a respostas incontidas e exageradas, violentas. Por outro lado, estresse, maus tratos e violência física e moral na infância, antíteses do carinho e de tudo o que ele representa e muda no sistema nervoso, também deixam suas marcas nos mesmos sistemas cerebrais de alarme e respostas a ameaças e, pelas mesmas razões, favorecem arroubos de violência desmedida.

Em termos evolutivos, faz sentido. Se você vive em um mundo cão, onde a norma é achacar, gritar e bater, então achacar, gritar e bater de volta se torna uma estratégia razoável, implementada direta e automaticamente pelo cérebro – quer dizer, sem que alguém precise escolher ser violento. Curiosamente, a estratégia contrária, de tornar-se apático e invisível, também é “interessante”, e talvez explique por que a depressão é uma resposta tão comum aos maus tratos sociais.

No entanto, nem genética nem sociedade são 100% determinantes. O risco genético se manifesta como violência ou depressão se ocorre junto com um histórico de submissão a maus tratos e violência. Da mesma forma, maus tratos levam a violência e depressão principalmente aqueles indivíduos com algum risco genético.

E aí está o problema maior. Vítimas de uma conjunção infeliz, essas pessoas não só transmitirão a seus filhos seu risco genético, como terão grandes chances de tratá-los com violência, criando para eles a mesma conjunção desfavorável que, assim, se auto-propaga. Violência gera violência.

Mas isso não é inevitável. Suporte social, paz e carinho agem no cérebro e interrompem o círculo vicioso – mesmo se a genética é contrária. A combinação é explosiva, mas genética e sociedade, sozinhos, não são garantia de nada. Ainda bem.

Publicado originalmente na Folha de São Paulo em 29 de junho de 2006.


Mais posts

Os segredos do pensamento positivo

Sol para o cérebro com jet-lag

Felicidade fora de hora

Prazer para aprender

en_USEnglish