Suzana Herculano-Houzel

Agir como outro requer auto-supressão

Coluna_385 Agir como outra pessoa requer autossupressão

Escrevi aqui recentemente que o cérebro em estado criativo para de se auto-policiar e se deixa levar pela própria bagagem acumulada ao longo da vida, formando e descobrindo livremente novas associações entre os elementos, incluindo memórias e emoções, em seu repertório. Os produtos da nossa criatividade são, portanto, altamente pessoais – o que é garantido pelas estruturas do sistema auto-referente do córtex cerebral, que juntam todas as partes do “eu” e tomam conta do comportamento durante as ações de improviso. Ou seja: os momentos criativos são quando somos mais puramente nós mesmos.

Não deveria ser surpresa, portanto, descobrir que tornar-se temporariamente outra pessoa envolve o mecanismo contrário: calar a si mesmo, e agir conforme um plano externo. Por esta ótica, atuar – agir como se na pele de uma personagem – é o oposto de um processo criativo de auto-expressão. Atuar requer auto-supressão.

Quem diz isso são neurocientistas da Universidade McMaster, em Ontário, no Canadá, que publicaram em 2019 um estudo com o delicioso nome de “A Neurociência de Romeu e Julieta”. O nome era perfeitamente apropriado: os pesquisadores convidaram atores e atrizes profissionais, adeptos dO Método de atuação de Stanislavski, a encarnar Romeu e Julieta, respectivamente, de dentro do aparelho de ressonância magnética, que capta as minúsculas variações de atividade do cérebro pela sua interferência com o campo magnético gerado pela máquina. O Método consiste em incorporar personagens de dentro para fora, adotando-se sua personalidade, e não encarná-los gestualmente, de fora para dentro.

O estudo comparou o padrão de atividade cerebral enquanto os voluntários respondiam a perguntas como si mesmos; como si mesmos, mas fazendo o sotaque inglês de Shakespeare; e com o mesmo sotaque, mas agora atuando como se fossem Romeu, ou Julieta.

O resultado é que na pele de seus personagens, os atores estão literalmente fora de si: as estruturas mediais do córtex pré-frontal que nos mantêm integrados, normalmente fazendo a interface entre razão e emoção que define nosso temperamento e personalidade, estão fortemente desativadas. O “self”, portanto, se esvai enquanto o ator encarna outra pessoa. Enquanto isso, o córtex pré-cuneal, também na face medial do cérebro mas próximo às áreas visuais, grande responsável pela atenção, funciona a todo vapor, mantendo no ar as várias partes do Outro incorporado.

Atuar é literalmente deixar de ser si mesmo – o que, ao contrário de criar, requer grande auto-controle.

Originalmente publicada na Folha de São Paulo em abril de 2021.

Mais posts

en_USEnglish